Últimas Notícias
Agricultura
Brasil
Brasileirão
Colunistas
Copa Do Mundo
Cultura E Lazer
Economia
Eleições
Esportes
Expediente
Geral
Internacional
Maringá
Noite / Festas
Notícia Regional
Pan Rio2007
Paraná
Paranaense
Pequim 2008
Política
Saúde E Ciência
Tecnologia
Loterias
Página Principal
.:: P U B L I C I D A D E ::.
 
 
 
 
 
 
 
Saúde E Ciência
25/09/2015

Oito descobertas da ciência que vão mudar sua forma de dormir


A hora de dormir é "sagrada" para o ser humano. Vivendo de forma tão intensa e agitada, muitas vezes é nesse momento que realmente paramos tudo e descansamos. Com isso, nada mais natural que o processo do sono seja exaustivamente estudado pela ciência. Para você se informar sobre as últimas pesquisas, o Diario preparou uma lista com as descobertas mais recentes sobre a hora de dormir. Confira: 1- "Regra" das oito horas de sono pode ser um mito Pesquisas apontam que o o processo biológico natural do sono prevê uma segmentação em duas partes, mas o padrão foi aos poucos sendo alterado. Há séculos atrás, o mais comum seria um primeiro período de sono que começava cerca de duas horas depois do anoitecer, seguido de um intervalo em que o indivíduo ficava acordado por uma ou duas horas e então um segundo período de sono. A mudança é atribuída à transformação da noite em um período de atividade normal, fazendo com que o tempo de descanso diminuísse.Um bebê pode dormir por até 15 ou 16 horas, enquanto um idoso pode não precisar de mais do que seis horas de dormir. 2- Um passeio na praia pode melhorar o sono Além dos seus já conhecidos benefícios, uma caminhada à beira-mar pode resultar em quase uma hora extra de sono. É o que aponta um estudo realizado no Reino Unido. Cerca de 100 pessoas com idade entre 21 e 82 anos participaram. Para os pesquisadores, um passeio na praia provoca mais pensamentos da família e da infância, deixando o indivíduo mais relaxado e melhorando seu sono. 3- A apneia do sono pode estar ligada à depressão Segundo uma pesquisa da Universidade da Austrália Ocidental, a apneia do sono (distúrbio em que as vias aéreas são obstruídas, atrapalhando a respiração enquanto se está dormindo) pode estar associada à depressão. Após o tratamento da apneia, foi observado em 96% dos participantes da pesquisa uma redução nos sintomas depressivos. 4- Dormir de lado pode ser o melhor para o cérebro Um estudo realizado por universidades norte-americanas apontou que dormir de lado pode ser a melhor escolha na hora do sono. Segundo os pesquisadores, a posição é a mais eficiente para eliminar substâncias químicas que podem causar doenças neurológicas como mal de Alzheimer ou mal de Parkinson. A pesquisa foi realizada em ratos, e os roedores foram observados enquanto dormiam de lado, de barriga para cima ou para baixo. A análise revelou que o sistema glinfático, responsável por descartar os resíduos químicos, trabalhou muito melhor na posição virada para o lado. 5- As moscas-da-fruta podem ser a chave para combater a insônia De acordo com neurobiólogos da Escola Médica de Harvard, nos Estados Unidos, a Drosophila melanogaster se comporta de forma muito semelhante ao homem na hora de dormir. Ambos dormem à noite, a cafeína pode mantê-las acordadas e também podem sofrer de insônia. Através do estudo dos genes da mosca, os pesquisadores esperam criar uma série de pílulas para combater os variados tipos de insônia. 6- Beber café à noite atrasa o sono em até 40 minutos Um estudo publicado na revista Science Translational Medicine comprovou o que muita gente já sabia: beber café à noite não faz bem para o sono. Ingerir a bebida atrasa a produção do hormônio melatonina em até 40 minutos. Tomar um café antes de adormecer pode ser o equivalente a ser exposto à três horas de luz forte na hora de dormir. 7- A concentração dos neurônios determina o tempo do sono Uma pesquisa do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro acredita que o aumento do número de neurônios, por meio de uma menor taxa de acúmulo de substâncias que induzem o ser humano a dormir, causam uma diminuição no tempo do sono. Os pesquisadores analisaram dados sobre o cérebro de 24 espécies diferentes de mamíferos, desde primatas (incluindo vários macacos e o ser humano) até roedores e até girafas e elefantes. A conclusão é de que, em geral, os bichos maiores e de cérebro mais avantajado eram os que dormiam menos. 8- Usar celular é pior do que tomar café antes de dormir O mesmo estudo afirmou que utilizar o celular antes de dormir pode causar efeitos piores do que o consumo de um café expresso. Enquanto o atraso do sono de quem inferiu cafeína ficou em cerca de 40 minutos, as pessoas que ficaram expostas à luz gerada pelos aparelhos demoraram 85 minutos para dormir. Quando a combinação dos dois foi feita, o tempo para se cair no sono chegou a 105 minutos. A luz produzida pelos dispositivos faz com que a melatonina (substância responsável por "avisar" que é hora de dormir) seja produzida em menor quantidade.


  ÚLTIMAS NOTÍCIAS