Últimas Notícias
Agricultura
Brasil
Brasileirão
Colunistas
Copa Do Mundo
Cultura E Lazer
Economia
Eleições
Esportes
Expediente
Geral
Internacional
Maringá
Noite / Festas
Notícia Regional
Pan Rio2007
Paraná
Paranaense
Pequim 2008
Política
Saúde E Ciência
Tecnologia
Loterias
Página Principal
.:: P U B L I C I D A D E ::.
 
 
 
 
 
 
 
Saúde E Ciência
04/08/2014

Casos da bactéria KPC reforçam necessidade de cuidados com antibióticos


O Laboratório Central do Estado (Lacen) confirmou nesta segunda-feira (4) que duas amostras enviadas para análise – uma do Hospital Universitário do Oeste do Paraná e uma do Hospital São Lucas, de Cascavel – são positivas para a bactéria Klebsiella Pneumoniae Carbapenemase (KPC). Uma das pacientes já teve alta médica e a outra permanece internada em um leito de isolamento em enfermaria do hospital universitário. Amostras de outros 17 pacientes do HU foram negativas.































































































































Os resultados não interferem nas rotinas dos hospitais porque todas as medidas preventivas para evitar mais contaminações foram adotadas desde a suspeita dos casos. "Com a orientação do Centro Estadual de Vigilância Sanitária, o hospital universitário fez a desinfecção de alas e isolou os pacientes suspeitos", explica o coordenador do Centro Estadual de Vigilância Sanitária, Paulo Costa Santana.































































































































A postura adotada foi norteada pela Nota Técnica 01/13 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que estabelece as medidas de contenção e controle de enterobacterias multirresistentes. "O documento, por exemplo, orienta a não interrupção da assistência em serviços de saúde", explica o coordenador. Segundo ele, se houver a necessidade de interrupção, ela deve ser avaliada criteriosamente em conjunto com as autoridades locais e por todos os níveis de gestão do sistema de saúde.































































































































Santana explica que a disseminação de bactérias multirresistentes que contém enzimas como KPC ou New Delhi Metallobetalactamase (NDM) é um fenômeno mundial, que ocorre em diversas instituições hospitalares do Brasil e de vários países. "A situação é de extrema relevância e preocupação para os profissionais de saúde, pois essas enzimas promovem resistência das bactérias aos antimicrobianos, reduzindo as opções de tratamento", explica.































































































































O coordenador ressalta que as infecções ocasionadas por bactérias multirresistentes, como a KPC, têm tratamento. "As opções de antimicrobianos são limitadas e, por isso, o termo "superbactéria" é popularmente conferido a esses microorganismos. No entanto, o termo não é tecnicamente correto porque dá uma noção superestimada do risco dessas bactérias", enfatiza o coordenador.































































































































Santana destaca que o controle dos casos de infecção por multirresistentes pode ser alcançado com um grande esforço multidisciplinar, que inclui, além de outras medidas, detecção precoce de pacientes, implementação de precauções de contato e de tratamento adequado. "A participação do laboratório de microbiologia é fundamental para a detecção oportuna de surtos infecciosos, de modo que oriente a adoção de medidas de prevenção e controle da disseminação", ressalta.































































































































Outro fator que contribui para a redução de infecção por multirresistentes é o uso racional de antibióticos pelos profissionais de saúde e pela população. "Esta medida controla o surgimento de novos microorganismos com resistência a antibióticos", enfatiza.































































































































Em 2014, das 1.324 amostras de pacientes enviadas para o Lacen-PR para a identificação de enterobacterias multirresistentes , 694 foram positivas para a KPC. Em 2013, das 1.348, 888 foram positivas para a KPC.































































































































































































































































Confira as medidas de prevenção e controle de infecções que os hospitais devem utilizar:































































































































































































































































a) Todos os profissionais de saúde, visitantes e acompanhantes devem higienizar as mãos frequentemente;































































































































b) Disponibilizar continuamente insumos para a correta higienização das mãos e dos ambientes;































































































































c) Disponibilizar continuamente Equipamento de Proteção Individual (luvas e aventais) para o manejo do paciente e suas secreções, além da correta paramentação para lidar com o ambiente em torno do paciente, colonizado ou infectado;































































































































d) Reforçar o cuidado com o paciente, portador de bactéria multirresistente, preferencialmente feito por um corpo profissional exclusivo;































































































































e) Reforçar a aplicação de precauções de contato específicas para profissionais de saúde, visitantes e acompanhantes, quando do isolamento de microrganismos de importância epidemiológica definida, ou, de forma empírica, para pacientes sob risco de colonização pelos mesmos, até a obtenção de resultados de testes de vigilância microbiológica;































































































































f) Enfatizar as medidas gerais de higiene do ambiente: limpeza e desinfecção de superfícies, tendo esta rotina e os insumos padronizados;































































































































g) Aplicar, durante o transporte intra-institucional e interinstitucional, as medidas de precauções de contato para os profissionais que atuam diretamente com o paciente, incluindo o reforço nas medidas de higiene do ambiente;































































































































h) Monitorar os casos de infecções nos pacientes suspeitos e mais suscetíveis;































































































































i) Implantar políticas de uso racional de antimicrobianos (antibióticos, antifúngicos e antivirais) e outras medidas que forem necessárias de acordo com a instituição. 


  ÚLTIMAS NOTÍCIAS