Últimas Notícias
Agricultura
Brasil
Brasileirão
Colunistas
Copa Do Mundo
Cultura E Lazer
Economia
Eleições
Esportes
Expediente
Geral
Internacional
Maringá
Noite / Festas
Notícia Regional
Pan Rio2007
Paraná
Paranaense
Pequim 2008
Política
Saúde E Ciência
Tecnologia
Loterias
Página Principal
.:: P U B L I C I D A D E ::.
 
 
 
 
 
 
 
Economia
18/05/2014

Construção civil desacelera nas principais cidades do interior


Passado o boom imobiliário, a nova fase do mercado de imóveis nas principais cidades do Paraná vem apresentando comportamento retraído. Um indicador deste cenário é a emissão de Habite-se, documento que regulariza as obras na construção civil. De 2011 para 2013, o número de certificações liberadas pelas prefeituras caiu em quatro das cinco maiores cidades do interior do estado. A maior redução observada, de 33%, foi em Ponta Grossa.

Segundo a Secretaria Municipal de Planejamento, em 2011 foram contabilizadas 2.229 regularizações, enquanto no ano passado o montante ficou em 1.624. Na região Oeste, Cascavel teve movimento semelhante. Foram emitidos 1.877 Habite-se em 2013, 24% a menos que em 2011, quando o número chegou a 2.475.

Em Londrina, a redução no período foi de 4%, com 3.415 certificações liberadas no ano passado, contra 3.560 em 2011. Já em Maringá, no Noroeste, a queda no número de Habite-se emitidos nos três anos foi de 19%, passando de 6.759 para 5.409.

Nestas duas últimas cidades, contudo, houve aumento no número total de metros quadrados construídos. Em Londrina, o acréscimo foi de 17% – de 797.900 m² para 935.023 m²; enquanto em Maringá foram 1.1016.538 m² de área no ano passado, contra 940.980 m² em 2011, uma evolução de 8%.

Para o presidente do Sinduscon Norte, Osmar Ceolin Alves, o setor, basicamente, depende da disponibilidade de financiamentos – por isso a oscilação nas construções. “Se o comprador tem facilidade para financiar juros mais baratos, tem-se mais crescimento”.

Exceção

No município de Foz do Iguaçu, houve ligeira recuperação. De 968 Habite-se registrados há três anos, 2013 fechou com 990. Um ano antes, a prefeitura havia emitido 1.128 certidões. “Ainda é uma situação favorável porque o preço dos imóveis subiu muito. Para se ter uma ideia, terrenos de 360 metros quadrados, que antes eram vendidos a R$ 8 mil, hoje são comprados na cidade por até R$ 80 mil”, relata o servidor Célio Silva, da Divisão de Fiscalização de Obras da Prefeitura de Foz.

O presidente do Sinduscon Oeste, Edson José de Vasconcellos, avalia que, apesar dos números, o mercado da região ainda está “saudável”, devido ao índice de construções estar abaixo da taxa de crescimento vegetativo dos municípios. “O que tem que existir é um cuidado para não se lançar mais unidades que a demanda da cidade, para não sobrar muito imóvel”, observa.

Ainda assim, completa, quando há oferta em excesso, o excedente tende a ser regularizado nos anos seguintes, quando menos unidades serão lançadas. BP



  ÚLTIMAS NOTÍCIAS