Últimas Notícias
Agricultura
Brasil
Brasileirão
Colunistas
Copa Do Mundo
Cultura E Lazer
Economia
Eleições
Esportes
Expediente
Geral
Internacional
Maringá
Noite / Festas
Notícia Regional
Pan Rio2007
Paraná
Paranaense
Pequim 2008
Política
Saúde E Ciência
Tecnologia
Loterias
Página Principal
.:: P U B L I C I D A D E ::.
 
 
 
 
 
 
 
Saúde E Ciência
16/11/2008

Astrônomos fazem 1ª foto de um sistema extra-solar


Dois grupos independentes de astrônomos anunciam hoje ter conseguido avistar diretamente planetas orbitando outras estrelas. Esses corpos celestiais que orbitam outras estrelas já haviam sido detectados de modo indireto e até fotografados antes, mas as imagens obtidas dependiam de confirmação. Agora, os exoplanetas foram flagrados se movendo ao redor de suas estrelas.

Os cientistas descrevem a descoberta em dois artigos na revista "Science". Um dos grupos achou três exoplanetas em torno de uma estrela na constelação do Sagitário usando técnicas especiais para modificar imagens dos telescópios Gemini e Keck, no Havaí (EUA).

A fotografia obtida pelo método, porém, não é do tipo que inspiraria efeitos especiais num filme de ficção científica. Quem esperava ver algo tão belo quanto as fotos que a sonda Cassini tira de Júpiter terá de se contentar agora com uma imagem um tanto artificial, processada por instrumentos de alta tecnologia.

Mesmo assim, dizem os astrônomos, já é um tremendo avanço. Outras técnicas se valem apenas de efeitos indiretos, como o chamado "trânsito" --a mudança de luminosidade que os exoplanetas provocavam em suas estrelas ao promover pequenos eclipses.

Outra técnica analisa a oscilação de freqüência da luz da estrela quando ela "rebola", perturbada pela gravidade de planetas.

Ser capaz de enxergar planetas dá um bocado de flexibilidade à pesquisa, disse à Folha o astrônomo Christian Marois, do Instituto Herzberg, de Victoria (Canadá), líder do estudo.

"Para ver o "trânsito", é preciso estar num alinhamento específico com o planeta e a estrela observados, numa órbita de perfil", explica o cientista, apontando limites também na técnica de oscilação. "Os três planetas que vimos agora, por exemplo, orbitam muito longe da estrela-mãe, e para conseguir detectar a assinatura do rebolado deles seria preciso esperar de 100 a 400 anos."

Segundo Gustavo Mello, do Observatório do Valongo, no Rio, que leu o estudos da "Science", ainda há porém alguma discussão na comunidade científica sobre se os objetos como os avistados por Marois são exatamente planetas.

"É bom esperar um pouquinho antes de bater o martelo, apesar de serem trabalhos convincentes", diz o cientista. Ele explica que os planetas descritos pelo canadense são até dez vezes mais maciços do que Júpiter, e isso talvez os qualifique como "anãs marrons", uma classe de objeto que é intermediária entre planeta e estrela.



  ÚLTIMAS NOTÍCIAS