Últimas Notícias
Agricultura
Brasil
Brasileirão
Colunistas
Copa Do Mundo
Cultura E Lazer
Economia
Eleições
Esportes
Expediente
Geral
Internacional
Maringá
Noite / Festas
Notícia Regional
Pan Rio2007
Paraná
Paranaense
Pequim 2008
Política
Saúde E Ciência
Tecnologia
Loterias
Página Principal
.:: P U B L I C I D A D E ::.
 
 
 
 
 
 
 
Saúde E Ciência
08/09/2008

Chupeta pode ser deixada com criança até os 2 anos no máximo, diz especialista


A chupeta é uma forma de acalmar e até de organizar a rotina de crianças no começo da vida, quando usam a boca para se alimentarem e para descobrirem o mundo ao seu redor.

Por lembrar os bicos dos seios da mãe, o acessório ajuda a acalmar os pequenos a ponto de se tornar um companheiro quase inseparável. Mas seu uso prolongado e incorreto pode causar problemas de saúde, como maloclusões (dentes desalinhados), distúrbios de fala e de respiração.

De acordo com a odontologista Rosana Possobon, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), todos esses riscos decorrem da forma como a criança suga a chupeta. "A musculatura da boca é menos exigida com a chupeta. Além disso, o movimento da língua é diferente do usado ao retirar o leite do seio da mãe. Assim, funções como a fala e a deglutição têm maior risco de serem afetadas. Por causa da chupeta, alguns bebês chegam a ter dificuldade para sugar o leite materno", afirma.

A chupeta também pode entortar os dentinhos da criança. Uma forma de minimizar esse risco é usar apenas modelos ortodônticos, que têm o bico mais achatado e não forçam tanto a dentição.

A comodidade da chupeta, principalmente entre as mães de primeira viagem, também pode dificultar as coisas segundo o pediatra Gustavo Foronda, do Hospital Sírio-Libanês. "É comum as mães darem o seio ou colocarem o acessório na boca dos bebês a qualquer choro, sem procurarem saber o motivo. Vejo muitas mães despreparadas e ansiosas", alerta o pediatra, que vê benefícios na chupeta. "Ela substitui o hábito de chupar o dedo, que pode causar os mesmos problemas, só que de forma mais grave."

Foronda recomenda tirar a chupeta entre o primeiro e o segundo ano de vida, quando começa a surgir a dentição. "É uma época favorável, pois as alterações podem ser corrigidas com mais facilidade. Além disso, a criança já tem condições de dialogar com os pais e entender suas razões", explica o especialista.

Segundo ele, a melhor saída é fazer os pequenos tomarem a difícil decisão de abandonar o hábito. "O ideal é não forçar. Fale o motivo e combine uma data festiva para parar. Diga à criança, por exemplo, que ela vai dar a chupeta ao Papai Noel em troca de um presente", sugere o médico. A psicanalista e fonoaudióloga Eloisa de Lacerda, da PUC-SP, dá mais uma dica. "Faça gradualmente a retirada, estabelecendo momentos e horários para usar."



  ÚLTIMAS NOTÍCIAS