Últimas Notícias
Agricultura
Brasil
Brasileirão
Colunistas
Copa Do Mundo
Cultura E Lazer
Economia
Eleições
Esportes
Expediente
Geral
Internacional
Maringá
Noite / Festas
Notícia Regional
Pan Rio2007
Paraná
Paranaense
Pequim 2008
Política
Saúde E Ciência
Tecnologia
Loterias
Página Principal
.:: P U B L I C I D A D E ::.
 
 
 
 
 
 
 
Pequim 2008
16/08/2008

Ouro nos 50 m, Cielo diz que sua confiança é confundida com arrogância


O nadador brasileiro César Cielo, que conquistou a medalha de ouro e estabeleceu um novo recorde olímpico nos 50 m livre (21s30), neste sábado, em Pequim, declarou após a prova que muitos confundem a sua confiança com arrogância.

"A confiança que eu tenho, que muitas pessoas confundem com arrogância, está atrás de muito trabalho. Quando entro na piscina, entro muito confiante em todo o trabalho que realizei antes do momento da prova", disse César Cielo em entrevista ao canal Sportv.

Primeiro medalhista de ouro na história da natação brasileira em Olimpíadas, o nadador também comentou sobre a sua escolha de treinar e estudar nos Estados Unidos. "Ir para os Estados Unidos foi uma das escolhas mais certas que eu fiz, cresci demais e encontrei um ótimo treinador", afirmou Cielo referindo-se ao australiano Brett Hawke.

Cielo contou também que sabia que seus familiares estavam no Cubo d'Água, mas não sabia em qual lugar do parque aquático. "Antes da prova, eu estava totalmente no meu mundo, muito concentrado, olhava somente para a piscina. Mas quando a prova terminou, fiquei olhando para a arquibancada e acabei encontrando meus pais", finalizou o novo medalhista de ouro e recordista olímpico dos 50 m livre.

Antes do ouro de Cielo, o melhor resultado da natação brasileira havia sido a prata, conquistada por três vezes. A primeira com Ricardo Prado (400 m medley em Los Angeles-1984) e as outras duas com Gustavo Borges (100 m livre em Barcelona-1992 e 200 m livre em Atlanta-1996). Além disso, a natação do Brasil colecionava sete medalhas de bronze em Olimpíadas.

Em Pequim, Cielo também conquistou um bronze nos 100 m livre, quebrando um jejum de oito anos sem medalhas da natação brasileira na competição. A última tinha sido o bronze em Sydney-2000, no revezamento 4 x 100 m livre, formado por Fernando Scherer, Gustavo Borges, Carlos Jayme e Edvaldo Valério.



  ÚLTIMAS NOTÍCIAS